TNM

  • TNM - Classificação de Tumores Malignos (Classification of Malignant Tumours) é o sistema mais usado para a classificação de tumores malignos e a descrição de sua extensão anatômica, desenvolvido e publicado pela União Internacional contra o Câncer - UICC. A quinta e última edições foram traduzidas pelo INCA e estão disponíveis pela primeira vez para consulta online.

    A prática de se dividir os casos de câncer em grupos, de acordo com os chamados estádios, surgiu do fato de que as taxas de sobrevida eram maiores para os casos nos quais a doença era localizada do que para aqueles nos quais a doença tinha se estendido além do órgão de origem. Esses grupos eram freqüentemente referidos como casos iniciais e casos avançados, inferindo alguma progressão regular com o passar do tempo. Na verdade, o estádio da doença, na ocasião do diagnóstico, pode ser um reflexo não somente da taxa de crescimento e extensão da neoplasia, mas, também, do tipo de tumor e da relação tumor-hospedeiro.

    O estadiamento do câncer é consagrado por tradição, e para o propósito de análise de grupos de pacientes é freqüentemente necessário usar tal método. A UICC acredita que é importante alcançar a concordância no registro da informação precisa da extensão da doença para cada localização anatômica, porque a descrição clínica precisa e a classificação histopatológica (quando possível) das neoplasias malignas podem interessar a um número de objetivos correlatos, a saber:
  • • Ajudar o médico no planejamento do tratamento
  • • Dar alguma indicação do prognóstico
  • • Ajudar na avaliação dos resultados de tratamento
  • • Facilitar a troca de informações entre os centros de tratamento
  • • Contribuir para a pesquisa contínua sobre o câncer humano
  • • O principal propósito a ser conseguido pela concordância internacional na classificação dos casos de câncer pela extensão da doença é fornecer um método que permita comparações entre experiências clínicas sem ambigüidade.

    Existem muitas bases ou eixos de classificação dos tumores, por exemplo: a localização anatômica e a extensão clínica e patológica da doença, a duração dos sinais ou sintomas, o gênero e idade do paciente, o tipo e grau histológico. Todas essas bases ou eixos representam variáveis que, sabidamente, têm uma influência na evolução da doença. O sistema TNM trabalha prioritariamente com a classificação por extensão anatômica da doença, determinada clínica e histopatologicamente (quando possível).

    A primeira tarefa do clínico é fazer uma avaliação do prognóstico e decidir qual o tratamento mais efetivo a ser realizado. Este julgamento e esta decisão requerem, entre outras coisas, uma avaliação objetiva da extensão anatômica da doença. Isto feito, a tendência é divergir do estadiamento, quanto a uma descrição significativa, com ou sem alguma forma de sumarização.

    Para conseguir os objetivos estabelecidos, um sistema de classificação necessita que:
  • Os princípios básicos sejam aplicáveis a todas as localizações anatômicas, independentemente do tratamento;
  • Possa ser complementado, mais tarde, por informações que se tornem disponíveis pela histopatologia e/ou cirurgia;
  • O Sistema TNM preenche estes requisitos.
  • Regras Gerais do Sistema TNM

    O Sistema TNM para descrever a extensão anatômica da doença está baseado na avaliação de três componentes:
  • T - a extensão do tumor primário
  • N - a ausência ou presença e a extensão de metástase em linfonodos regionais
  • M - a ausência ou presença de metástase à distância
A adição de números a estes três componentes indica a extensão da doença maligna. Assim temos:

T0, T1, T2, T3, T4 | N0, N1, N2, N3 | M0, M1

Na verdade, o sistema é uma 'anotação taquigráfica' criada para descrever a extensão clínica de um determinado tumor maligno.

Arquivo em PDF do TNM 6ª edição